segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Amar é uma ação


A princípio meu tema poderá parecer desconfortável para alguns, senão para todos nós, pois falar de amor não é fácil e escutar as vezes é mais difícil ainda, sempre nos deixa encabulados. Gostaria de tentar desmistificar um pouco o amor, tentar ensinar à todos uma definição que aprendi recentemente e que tem mudado muita coisa em minha vida, que tem sido um leme para guiar minhas atitudes, mesmo que as vezes eu me pegue traído por meus conceitos e hábitos antigos, desrespeitando essa definição.

Para começar a falar sobre o amor “ação” eu gostaria de lembrar os dois principais ensinamentos de Jesus Cristo:

- Amar a Deus sobre todas as coisas.

- Amar ao próximo como a si mesmo.

Esses dois ensinamentos são a base perfeita para se ter uma vida de paz e união em qualquer ambiente, seja em casa ou no trabalho. Mas quero que nos apeguemos e meditemos um pouco mais sobre essas duas colocações do Grande Homem:

- Amar a Deus sobre todas as coisas: isto é simples, pois Deus é o Ser supremo, cheio de bondade e de compaixão, um Pai que está de braços abertos para acolher seus filhos em todos os instantes. Para Ele pode-se pedir tudo, pode se queixar e contar os pensamentos mais vergonhosos, com isso amar a Deus torna-se uma tarefa simples e fácil.

- Amar ao próximo como a si mesmo: aqui a coisa começa a complicar, pois amar ao próximo quando este é sua esposa, seus filhos, seus pais ou até seus melhores amigos, também não é tão complicado, mas e quando este próximo é a pessoa que você tem maiores problemas de convívio ou, ainda, quando este próximo é um marginal? Será que somos capazes de amar estas pessoas conforme Jesus nos pede?

Com a definição de amor usualmente aceita por todos isso é impossível, pois amor para nós é querer bem alguém, é ter afeto por alguém, gostar de alguém ou até ter atração por alguém! Como podemos gostar de um estuprador? Como podemos gostar de políticos que nos roubam descaradamente e que estão envolvidos em escândalos intermináveis? Como podemos amar um funcionário que nos prejudicou? Ou ainda um vizinho que pára o carro todo dia na frente de nossa garagem e nos trata mal?

Bem, quero propor que tentemos entender o que Jesus realmente queria nos dizer com esses ensinamentos, o que ele queria nos dizer com a palavra amor em seus ensinamento. Será que ele realmente queria que nós tivéssemos afeto por pessoas más?

Grande parte do Novo Testamento foi escrito em grego e os gregos usavam várias palavras para descrever o multifacetado amor. Uma dessas palavras era eros, da qual se deriva a palavra erótico, e significa sentimentos baseados em atração sexual e desejo ardente. Outra palavra grega para amor é storgé, que é afeição, especialmente com a família e entre os seus membros. Nem eros nem storgé aparecem nas escrituras originais do Novo Testamento. Mais uma palavra grega que define amor é philos, ou fraterniadade, amor recíproco, uma espécide de amor condicional, ou seja, faça-me o bem que eu te faço também, desta palavra derivam-se termos como filosofia, philo=amor + sophia=sabedoria, ou seja, amor pelo conhecimento. Finalmente os gregos usavam o termo ágape e o verbo correspondente agapaó para descrever um amor incondicional, baseado no comportamento e nas atitudes com os outros sem exigir nada em troca. É o amor da escolha deliberada e é o amor usado por Jesus no Novo Testamento, um amor traduzido pelo comportamento e pela escolha, um amor racional e não o sentimento do amor.

Controlar nossos sentimentos com relação aos outros nem sempre é possível, pois os sentimentos são motivados pelas circunstâncias, eles não são racionais, não agem seguindo padrões, eles podem variar de acordo com o que ocorreu na véspera, porém nós podemos controlar nossas atitudes mediante aos outros, ao próximo. Por exemplo, podemos ter um vizinho muito chato, que nos trate de forma grosseira e seja arrogante, será impossível nós gostarmos dessa pessoa, querer bem essa pessoa, porém podemos nos comportar bem mediante ele, podemos ser pacientes, educados, honestos e respeitosos com ele, ou seja, podemos comportar-nos amorosamente, mesmo que ele opte em comportar-se mal.

Com isso quero dizer que amar não é, necessariamente, sinônimo de gostar, podemos amar uma pessoa sem gostar dela, basta apenas que nos comportemos bem mediante esta pessoa. Esse é o verdadeiro amor que Jesus quer que tenhamos pelo próximo. Em momento algum Jesus quer que saiamos nas ruas passando a mão na cabeça de marginais, tirando-os das prisões e aliviando suas penas, ele quer que nós os tratemos de forma correta, digna e que tomemos as atitudes certas mediante eles, mesmo que esta atitude seja condená-los, que esta atitude seja reeducá-los, Ele quer que nós nos comportemos amorosamente com relação à todos, deixando de lado os sentimentos.

Ainda na Bíblia, o capítulo 13 da Epístola aos Coríntios diz que o amor é paciente, bom, não se gaba nem é arrogante, não se comporta inconvenientemente, não quer tudo só para si, não condena por causa de um erro cometido, não se regozija com a maldade, mas com a verdade, suporta todas as coisas, agüenta tudo e sabe perdoar. Se observarmos essas definições de amor vemos que todas são comportamentos e não sentimentos.

Podemos dizer que realmente amamos o próximo quando nos comportamos mediante ela com:

Paciência – mostrar autocontrole

Bondade – dar atenção, apreciação e incentivo

Humildade – ser autêntico, sem pretensão, orgulho ou arrogância

Respeito – tratar as pessoas como se fossem realmente importantes

Abnegação – satisfazer as necessidades dos outros

Perdão – desistir de ressentimento quando enganado

Honestidade – ser livre de engano

Compromisso – ater-se às suas escolhas

Amar verdadeiramente alguém não é fácil, precisamos nos esforçar muito e nos monitorar constantemente para que não caiamos no erro, agindo de forma incorreta e injusta com o próximo. Porém gostaria de dizer que isso nos ajuda muito, que melhora muito nossa vida e contagia as pessoas que nos cerca, pois amor gera amor. Então ajamos com amor com todos, sem distinção alguma, sejamos justos e perfeitos no amor com o próximo para nos tornarmos dignos de sermos amados.

“Amar vinte homens durante um ano é fácil se comparado a amar um homem durante vinte anos” – Zsa-Zsa Gabor.

“Seja bom com os outros. A distância que você caminha na vida vai depender da sua ternura com os jovens, da sua compaixão com os idosos, sua compreensão com aqueles que lutam, da sua tolerância com os fracos e os fortes. Porque algum dia na vida você poderá ser um deles.” - George Washington Carver.

Um comentário:

Beedle disse...

nossa muito bom esse texto! parabens!